Lavando a alma

Acabei de tomar um banho demorado. Não sei o quanto; não olhei o relógio. Perdi a noção do tempo. Mas certamente foi bem longo. Daqueles que a gente sai com as pontinhas dos dedos enrugadas. Não, eu não fiquei me fazendo de princesa, com sabonetes especiais, óleos aromáticos ou sais de banho. Só precisava que a água fria levasse toda essa inquietação que sinto. Queria não usar a palavra impotência, mas ela define bem o momento. Sabe quando temos consciência de que algo vai acontecer, mas não temos como fazer nada a respeito? Pois é. É isso. Até que o banho me deixou mais calma. Mas acho que a água não levou tudo. Ainda. Restou a ansiedade. Uma ansiedade que não sei se é boa ou ruim.

(Pelo menos isso tem um ponto positivo: quando estou assim fico extremamente desbocada – o que é engraçado, vai? E falando muita m**da…)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em Generalidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *