Innocence

Sou incapaz de lembrar o que comi no café da manhã. Não decoro telefones (mal sei o meu). Esqueço datas importantes. Perco a hora. Perco compromissos. Esqueço onde guardei isso ou aquilo. Só não esqueço a cabeça porque está presa no pescoço.

Mas consigo me lembrar com riqueza de detalhes de momentos pelos quais passei há muitos anos e até de cenas da minha infância. Quando há algum envolvimento sentimental com o acontecido, minha memória me surpreende, guardando tudo catalogado com extrema precisão, arquivado perfeitamente: dias, locais, pessoas, clima, música, objetos, cheiros, roupas, palavras, gestos…

Basta que um motivo qualquer ative alguma dessas recordações, e elas vêm por inteiro, precisamente, imediatamente, como um filminho. Hoje, lembrei de um sorriso. Sou capaz de descrever toda a cena. As pessoas em volta. A música que tocava. As palavras que não foram ditas por nós dois. Mas nada disso é mais importante do que aquele sorriso. Aquele sorriso que você deve achar que eu não lembro. E do qual só fui entender o significado tanto tempo depois.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em Crônicas e Contos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *