Fundamental?

Imagine uma atriz global, linda, jovem e famosa. Dessas que fazem o estilo novela-das-oito-playboy-ilha-de-Caras. Agora imagine o marido dela. Que cara sortudo, não? O cara deve babar por ela, fazer tudo o que ela quiser e morrer de ciúmes de qualquer um que se chegue a menos de dois quilômetros da moça… Deve achar que ganhou na Mega Sena e deve até andar com aquele arreio de burro porque nunca vai precisar olhar pros lados procurando uma mulher mais interessante. Pennnnnnnnn! Errado! Que o Nelson Rubens não me ouça, mas eu conheço um caso assim. E o sujeito me faz o favor de pegar outra.

Pegou e gostou tanto, que passou a correr atrás dessa mulher. Como eles não haviam sequer trocado telefones, o dito cujo passou a seguir as únicas pistas que tinha. Ele só sabia que ela morava num bairro “chique” do Rio de Janeiro, atrás de uma padaria badalada, da qual era cliente assídua.

(Parêntese: só não me perguntem como, nesse único e breve momento de prazer ela comentou logo isso com ele… Só consigo imaginar uma possibilidade… Tipo assim: Ahhhhh… Hummm… Não pára! Não pára! Ai, gostosão, o seu tá mais quentinho do que o pão da Manoel’s Padaria, que fica na frente lá de casa!!! Fecha parêntese.)

Bom, o fato é que o digníssimo esposo da globete-gostosa não viu outra solução a não ser ir até a padaria. Chamou o gerente. Descreveu a mulher, disse que era vizinha deles e sempre comprava ali. Pediu que entregasse à mulher seu telefone, deixando seu cartão com o senhor, que, claro, ficou espantado com aquela cena surreal. Isso sem contar as vezes que o fofo passeava pela redondeza na esperança de reencontrá-la.

Mas quem, e, principalmente, COMO será essa “deusa” capaz de desbancar a moça famosa, capa de revista e (razoavelmente) endinheirada???

Eu respondo: uma coroa com seus quarenta e muitos anos. E o pior: feia. Terrivelmente feia. Fiquei bege e ainda não voltei à cor normal da pele até agora. Inacreditável!!! A tia deve ter a xonga de ouro, não é possível! Hehehehe…

Agora, falando sério. Eu não sou uma pessoa preconceituosa e realmente acredito que nosso “herói” realmente se encantou com a mulher velha, feia e menos endinheirada. E não há nada de mal nisso, muito pelo contrário. (A não ser o fato dele ter traído a esposa, mas nem vou entrar nessa questão porque acho que temos falado demais no tema… Ou daqui a pouco teremos que trocar o símbolo do MB de orelhinhas para chifres! rs… rs…)

Das pessoas que souberam dessa história, todos só comentam a suposta burrice do cara, que ele fez uma troca absurda e tal. Não sei se é viver com as orelhas de jumenta nas nuvens, mas só consegui pensar no bom e velho ditado que diz que o amor é cego.

Vinicius que me perdoe, mas beleza não é fundamental mesmo. Deve existir alguma química, algo sobrenatural, carnal, espiritual ou o raio que o parta, que faz com que uma pessoa olhe pra outra e pense “eu quero você”. É verdade que olhos lindos, um abdômen-taquinho e uma bundinha boa sempre acrescentam pontos, mas não é isso, não é SÓ isso. Se fosse assim, só as pessoas lindas e maravilhosas iriam se gostar e – vamos encurtar o papo – se reproduzir. Aí, por uma questão de seleção natural, simplesmente o Tiririca e a Marlene Mattos não existiriam.

Tá, vou parar de falar merda. Mas não tem jeito, o amor é cego mesmo. E eu acrescento: o amor, a paixão, o carinho, o tesão, o fogo na biolha… Todos eles precisam de cão-guia e lêem em braile. Ou melhor, não devem nem saber ler, porque além de cegos, com certeza são burros. (Eu não estou só.)

PS: O título do post ia ser “Fundamental, o caralho!”, mas achei muito agressivo para uma burralda educada como eu. 😮

PS2: Esta história não é ficção. Qualquer semelhança com pessoas e fatos reais não terá sido mera coincidência. Mas só dou nome aos bois se o TV Fama me pagar algum, que eu não tô a fim de fazer fofoca dos outros de graça. 😛

Jujumenta

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em www.MuleBurra.com.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *