Como NÃO pegar uma mulé na night

Podem me chamar de chata, de exigente, de fora de moda e até de velha, mas não me obriguem a achar a coisa mais natural do mundo homens que chegam numa mulher (num bar, boate, festa ou coisa que o valha), falam meia dúzia de palavras idiotas de um discurso-padrão-patético-ensaiado, já partem pra cima da dita cuja cheios de (duzentas) mãos e línguas e – pasmem – ainda acham que tão abafando e que têm grande chance de comer. Nhé.

Isso é só o que eu tenho visto por aí ultimamente. (E me enoja.)

Vizualiza. É sábado à noite. Você sente uma vontade irresistível de ver e viver a noite. Se produz. Banhozinho caprichado, roupa nova, sandália poderosa daquelas que esfolam o dedinho. Vai a um lugar bacana, badalado. Doida pra dançar, beber, rir muito e, quem sabe, conhecer alguém interessante. Ou talvez apenas alguém interessante o suficiente para dar uns beijinhos ou dar o que você quiser, afinal ninguém tem nada a ver com a sua vida. Motivo? (Precisa?) Porque você está sozinha. Ou porque está acompanhada dos melhores amigos. Porque amanheceu femme fatale. Ou está carente. Porque está triste. Ou feliz demais. Porque busca encontrar um príncipe encantado. Ou pode ser só fogo na biolha mesmo. Resumindo: você está dis-po-ní-vel.

E, com certeza absoluta, uma pá de homens vai estar na mesma hora e no mesmo local que você com as mesmas intenções. Por que diabos então você ainda corre o risco de voltar pra casa no zero a zero? Incompetência masculina crônica! Explicando, a grande questão é: CADIQUÊ a GRANDE maioria dos homens saem pra night com um luminoso na testa piscando “buceta” e NÃO SABEM como conseguir uma?

(Parêntese: grande maioria refere-se a não saber como conseguir, porque o luminoso na testa todos têm, demonstrando-o ou não.)

Pra tentar melhorar esse nível e ajudar a vida dos homens inteligentes leitores deste site, algumas dicas do que NÃO fazer para pegar uma mulher. (Porque o que fazer vocês têm que descobrir sozinhos, pô!)

– Não chegar na mulher bebasso achando que ela vai te considerar como opção. A mulher quer achar que no meio de todas as outras você a escolheu. E se você estiver muito alterado, claro que ela vai achar que você sóa elegeu porque era o primeiro ser de saia e com peitos que passou na frente. Portanto, a única solução viável se atingiu esse estado é pedir auxílio a um amigo mais sóbrio que aponte uma mulé no mesmo grau alcoólico que você e correr pro abraço.

– Não peça. “Será que eu posso te conhecer?” “Eu poderia dançar com você?” “Eu posso FALAR com você?” Bleargh!!! Não tem nada pior do que homem inseguro, que não sabe o que quer ou que não sabe como conseguir o que quer.

– Não puxe cabelo, mão, braço ou roupa. Você não é um homem das cavernas e nem está no jardim de infância.

– Não discuta Nietzsche numa boate. Ok, você é inteligente e quer demonstrar isso. Ou é bom de papo e quer impressionar. Amigo, desculpa, mas no meio de um bate estaca ensurdecedor, luzes piscando e tanta fumaça que faz você pensar que aumentou o grau de miopia, é INVIÁVEL uma conversa longa e/ou complexa. Em dois minutos a mulher vai ter desistido de te entender e vai estar respondendo apenas “hum”, “aham” e olhando para os lados.

– E nunca (no nível do pelamordedeus) chegue do nada fazendo dancinhas sexy estilo clube das mulheres achando que a mulher vai entrar no clima, botar umas notinhas na sua cueca e te levar direto pra um motel de tão excitada que ficou. Gente, tenha dó. O máximo que pode acontecer é você tirar umas gargalhadas da criatura. Ok, mulher até gosta de homem que a faça rir, mas o legal é quando ele tem essa intenção, e já vi MUITO neguinho fazendo esse tipo de coisa a sério…

E lembrem-se: no fundo, no fundo, nós mulheres também saímos de casa com um certo letreiro com outra palavra piscando na testa (e em outro lugar também). Só que não há pisca-pisca que faça encarar coisas desse tipo.

Jujumenta

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em www.MuleBurra.com.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *