Como se tornar um CAFA em 10 lições

A serviço do inimigoDia desses, tive uma grande surpresa ao receber através do site a mensagem de um “moçoilo” que me deixou um pouco confusa. Ele dizia com todas as letras que estava “estudando” algum conteúdo do site, como o Pequeno dicionário de cafajestês, e sugerindo que escrevêssemos mais sobre o assunto.

Que os homens liam o site, eu já sabia. Que liam pra rir da nossa desgraça, eu também já sabia. Que eles liam para tentar nos entender, eu supunha. Que alguns lêem apenas para nos xingar depois, é fato. Que muitos se fazem de amiguinhos bonzinhos com comentários fofos só para tentar uma aproximação, já percebi há tempos. Que alguns patetas lêem só para saber da nossa vida pessoal, modo de pensar e agir etc. (entenda-se manual de instruções de quatro possíveis vítimas), também já tava ruiva de saber.

Agora, que eles lêem para aprender a ser cafa, essa pra mim foi novidade.

(É nessas horas que eu penso: “onde fui amarrar meu jujumento”?)

Bom, como eles já utilizam nossos textos detonando com os canalhas como material de estudo, é porque tudo é uma questão de ponto de vista, certo? Então, por que não escrever um guia direcionado aos projetos de cafa de plantão? Afinal, se eles já vão virar esses adoráveis seres repugnantes mesmo, ao menos a gente pode aproveitar para aprender sobre o modo de agir da raça e de quais armas se defender. E se é pra ser enganada, que ao menos seja com estilo, né? Afinal, cafinha de segunda, ninguém merece…

Como se tornar um CAFA em 10 lições

1. Cara-de-pau, pré-requisito.
A eficiência de um cafa é diretamente proporcional ao seu nível de cara-de-pau. Não precisa ser o supra-sumo da extroversão, mas é necessário ter iniciativa, coragem para enfrentar qualquer tipo de situação, persistência para romper a barreira das difíceis, e jogo de cintura para improvisar diante de qualquer incidente.2. Simpatia, essencial.
Para se tornar um cafa profissional, é fundamental um bom nível de simpatia. O cafa é, sobretudo, um político. Afinal, o objetivo é ter um bom nível de abertura (opa!) com a mulherada, ser sempre bem visto por todos e, principalmente, por todas.

3. Estupidez, nunca.
Ser bruto, sem educação ou ignorante queima o filme. Lembre-se que as mulheres querem um príncipe, não um cavalo. Arrogância também não rola, “colega”. Você pode (e até deve tentar) ser superior à concorrência, mas deve nunca se achar a última baguete (you know?) da padaria.

4. Mentir, só o necessário.
Questão polêmica, a da mentira. Enquanto muitos acham que todo cafa tem que mentir muito, eu discordo. Acho, sim, que o cafa tem que saber mentir, mas usar desse artifício somente em último caso. Cafa de primeira linha é aquele que consegue enrolar a(s) mulher(es) sem precisar disso. A mentira é um recurso muito perigoso, pois, se descoberta, pode acabar em uma cagada generalizada, prejudicando sua imagem de “sonho de consumo” feminino, objetivo maior de todo cafa. Omitir, no entanto, não só é permitido, como EXIGIDO. Tá lá na cartilha da tia Teteca, logo depois de “Ivo viu a uva”.

5. Cinismo, básico.
Pintou sujeira? Você NUNCA admitirá algo que vá denegrir a honra da sua pessoa! Você nunca fez nada de errado, você é uma vítima da situação, é um complô pra estragar o “relacionamento” etc. etc. Entendeu ou quer que desenhe?

6. Ambigüidade, o recurso dos gênios.
Se você possui um QI um pouco mais elevado, pode se beneficiar desse recurso “fantárdigo”. Também dentro da idéia do “mentir só o necessário”, dizer algo que dê margem a várias interpretações sempre pode ser útil. Assim, a mulherzinha entende o que for mais conveniente pra ela (leia-se: o que ela quer que seja verdade) e todo mundo fica feliz e contente. Se um dia ela vier cobrar algo sobre o assunto, acusando tão “nobre” criatura de mentiroso, é só caprichar no “mas eu não disse isso!”. E, para desespero da vítima, você realmente não vai ter dito. Afinal, já dizia a minha avó: não dizer “não” não é dizer sim.

7. Ego feminino, um aliado.
Você está querendo pegar uma mulézinha meia-boca? Uma baranga? Uma capa da Playboy? Não importa a estética real do ser, mas sempre a elogie até a morte. Vou revelar aqui o funcionamento do ego feminino. As mulheres não gostam de serem chamadas de lindas, gostosas e perfeitas pelos homens simplesmente por quererem uma prova de que realmente são lindas, gostosas e perfeitas. (Essa opinião é mais válida vindo de outra mulher.) O grande lance é que o homem, ao fazer esses elogios, insufla o ego feminino de outra maneira: ela se sente lisonjeada pelo fato DELE ACHAR ISSO, e não de realmente ser ou não. Traduzindo, a mulher não fica feliz por ser bonita, mas por ter um homem que ache isso dela. Captou? Então trate de ser convincente.

8. Quinta-feira.
É o dia internacional do balão. Se você tem uma pseudo-oficial, a melhor data para se livrar da dona patroa e pegar a outra. Para a oficial, é fácil arrumar desculpa por ainda ser um dia de semana. Para a oficiosa, é menos humilhante que uma segunda ou terça, por exemplo. Agora se a “outra” não sabe da sua oficial, amigo, você vai ter que rebolar pra conseguir dar o balão na sexta, o único dia “misto” da semana, compartilhável entre qualquer tipo de mulher. É difícil, mas não impossível. Quem sabe um trabalho de última hora ou uma morte na família daquele amigo desconhecido?

9. A maior conquista de todos os tempos da última semana.
Dedicação e empenho em cada uma de suas conquistas é fundamental. Faça com que elas se sintam desejadas e únicas, mesmo que sejam o número 6.275 da sua agenda. O cafa perfeito mantém todas e nenhuma. Ele não tem nenhuma definitivamente, mas tem todas sempre disponíveis. Para conseguir esse feito, é preciso que elas achem que podem significar algo a mais, ser diferentes, mais importantes que as demais. Ser cafa não é fácil, tem que entrar no jogo de corpo e alma.

10. “Adeus”, risque do dicionário.
Última, porém não menos importante lição. NUNCA diga adeus. Cafa que é cafa sempre sai deixando a porta aberta. Nunca jogue fora nada: guarde os restos das refeições na geladeira ou no freezer. Nunca se sabe quando vai bater aquela fominha inesperada ou um tempo de vacas magras.

PS:
Caros candidatos a CAFA,
Pensem no bem da human… mulheridade, tentem reconsiderar a questão e desistir desta idéia sórdida. Afinal, se vocês QUEREM ser um cafa, é porque ainda não o são. E, pior, se precisam de um manual para aprender a ser, é porque sequer têm vocação pra coisa. Hum… Ou seja, parem de palhaçada e me mandem logo o telefone, porra! 😛

Jujumenta

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em www.MuleBurra.com.

12 comentários

  1. Olá!! Li o artigo de vcs indicado por uma amiga. AChei muito engraçado!!! Muito parecido com o Charlie Harper, da serie Two and a hal men!

  2. meu Deus!…. homem qrendo aprender a ser cafa?!…… admito q chega a ser interessante! afinal, nós, menininhas más e com tendências absurdas a gostar d coisas (homens) difíceis, estamos longe d trocar um cafa por um serzinho sem sal!..

  3. Obrigado pelas dicas. Apesar de eu não ser um cafa legítimo, tenho experimentado o comportamento cafiano e a coisa tem tido resultados deveras interessantes. Anamel, você tem toda a razão. Mullé quer mesmo é cafa. Não vou dizer que isso me satisfaz, mas é ótimo pra afogar o ganso sem dificuldade. Depois, é só me revelar enfadonhamente fiel e caseiro e tudo acaba de forma indolor.

  4. Ah, e digo adeus, de forma irrevogavel ainda por cima. Estranho, porque é que todas acabam querendo voltar pra mim passado algum tempo? Isso eu ainda não consegui entender. Afinal de contas não sou nenhum deus grego ou garanhão superior, mas sempre me acaba por vir àmemória a canção dos Stones: Time is on my side.

  5. pior que num tem jeito.. nós, burras.. sempre cedemos..
    eu que o diga..
    um ano pegando um homem casado (rs)
    dá até pra eu escrever aqui.. ele se fazia de vitima, dizia que tinha ‘n’ defeitos só pra eu elogiar,
    Depois dizia que não dava certo comigo, só pra eu insistir.
    Quando ficava comigo, sumia por uns 4 dias, só pra eu ficar desesperada procurando o fdp que tava me usando
    ….
    eis que eu resolvo acabar td o que não existia com ele.
    por um mês e meio ele me ligava e falava comigo como se eu não tivesse dito ‘fim’ pra ele.
    aí quando eu insisiti com o ‘não’, ele me ignorou da vida dele.
    Mas como eu sou BURRA elevado a um milhão, eu continei a procurar por ele, e tal..
    aí voltamos a conversar, combinamos de nos encontrar.. e kd o CAFA??

    Acho que só me ligou ontem para não fechar a porta de vez…
    Quando eu vou aprender hein????

  6. Querida Jujumenta!
    Seu manual, escrito por mulher, obviamente apresentaria falhas! haha
    Namoro o maior pegador da cidade, ainda bem que não mais na ativa hehehe, e posso lhe dizer: Elogiar é o começo do fim.
    As táticas do meu amor são infalíveis, fico de cara como ele consegue ser tão superior aos outros – e a nós, burraldas!

    Pra começar, quando estudávamos juntos, das 25 meninas da sala, ele ficou com 19 ( as outras 6 eram muito feias!!!), + 22 do ano anterior (ele reprovou), fora as outras de outras turmas e da cidade toda….
    E quanto mais ele tratava mal, mais todas corriam atrás.
    Se ele elogiava muito, pronto, a menina não dava mais bola, e era por isso que ele sempre tirava sarro e NUNCA dava moral.

    Sabe quando um menino paga muito pau pra gente e nós começamos a ignorá-lo pra fazer gracinha? E quando, de repente, ele da moral praquela nossa amiga, nós morremos de raiva e fazemos de tudo pra ele nos olhar?? tpo isso!
    É, ainda temos muito o que aprender… e quem não nasceu com o dom, não adianta querer – não tem pegada, não tem voz de malandro e nunca vai ser um cafa de primeira, daqueles de nos derreter só com o olhar!!!!!!

  7. ah, sem falar nas inúmeras vezes em que ele acabou com amizades, enganou, fez chorar… e sabe o pior? ele não mentia! Falava curto e grosso que nunca tinha falado que ia namorar, muito menos ficar de novo no dia seguinte.
    Uau, eu tive sorte! Hoje ele é o mais fofo dos fofos, e as meninas que crescerm com o filho dele que se cuidem!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *