Homi Burro

Os homens, em geral, têm uma certa dificuldade em aceitar bem o MB, porque acham que nós estamos aqui única exclusivamente para falar mal do sexo masculino, como vários sites e blogs por aí. O que eles não compreendem é que, ao contrário, o Mulé Burra é uma forma diferente de encarar a realidade no universo do relacionamento homem-mulher. Tem muito cafa por aí? Tem, sim. (E COMO TEM!) Mas nós é que, do alto da nossa inteligência, continuamos agindo como burras e acreditando neles!

Puxando pra gente a responsabilidade de uma maneira bem humorada, queremos apenas rir dessas situações burráldicas indesejáveis e inevitáveis. Afinal, rir é sempre o melhor remédio para todos os males, não seria diferente com a burraldice sentimental. É lógico que vez ou outras vamos xingar os homens (somos humanas, apesar das orelhas de burrico), mas esse nunca foi o nosso foco. Ou seja, quando falamos que nenhum homem presta, estamos apenas generalizando para desabafar. É quase uma catarse emocional. Mas, no fundo, a raiva maior não é pelo fato dos cafas existirem, e, sim, pelo fato de a gente acreditar neles. Quando um não quer, dois não “brigam”, certo?

Enfim, o que quero dizer é que o Mulé Burra não é um site contra os homens. (Muito menos contra as mulheres!) O MB é um site que fala da irracionalidade da paixão, e isso se aplica a todos os gêneros e orientações sexuais. Claro que abordamos o assunto sob a ótica feminina, pois somos quatro mulheres. A Mulé Burra (aka Burralda) é aquela pessoa capaz de se entregar cegamente aos efeitos do amor. Mas o homem, quando apaixonado, também fica burro, senhoras e senhores!

Daí vem a questão: assim como a Mulé Burra, existe o Homi Burro?

Sim, claro! E digo mais: ficam ainda mais burros que as mulheres. (Calma que eu explico.)

A burraldice masculina se manifesta de maneira diferente da burraldice feminina. A mulher tem uma tendência maior, quase que hormonal (deve ter algum estudo que comprova isso, mas estou com preguiça, então pergunta pro Google aí), a se apegar emocionalmente. Isso faz com que a burrice se manifeste mais rápida e frequentemente. E se a burrice (leia-se paixão) não rende um bom relacionamento, rapidamente a gente se recupera e tenta de novo e de novo e de novo. E a cada nova paixão é como se fosse tudo novo de novo. Todas as mágoas do passado são deletadas e substituídas pela esperança do final feliz.

Já o homem é mais retraído nesse sentido. O homem quer, fisicamente, zilhões de parceiras. Mas a burrice masculina é mais rara. Homens custam a amar. Muitos até se recusam a assumir, mas quando realmente se apaixonam, a casa cai.

Pense na maior burrice que você já fez por amor. Se você fosse homem, faria pior. Homem apaixonado é dramático, é exagerado. Já vi homem que só se apaixonou uma vez na vida, e não dando certo, foi a sua desgraça. Os mais saidinhos viram cafas incorrigíveis. Os mais retraídos, por vezes caem em depressão profunda (é sério, já vi acontecer).

Enquanto as mulheres emburrecem muito mais vezes ao longo da vida, os meninos não se entregam assim tão fácil. Mas quando crescem as orelhas, minhas amigas, saiam de baixo!

É tudo uma questão de quantidade X intensidade. E esse desequilíbrio de necessidades, creio eu, é fonte de vários dos nossos conflitos entre os sexos. Se nós pensarmos um pouquinho sobre isso e nos esforçássemos para, se não aceitar, ao menos compreender essas diferenças, nossa vida seria menos dramática. E se eles entendessem que nossas necessidades são diferentes, talvez a gente se encontrasse em um meio-termo – e existissem menos cafas por aí.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em www.MuleBurra.com.

14 comentários

  1. Eu sempre tento honrar a presença dos burraldos quando venho aqui dar pitaco!!!
    Eles existem mesmo!!!
    Difícil é encontrar um dando sopa… E que não seja seu ultra-super-mega-blaster amigo do peito (e infelizmente, não “dos peitos”), e que use seu ombro pra desabafar… Ou seja… Impossível vê-lo como algo mais! Ou ele te ver como algo mais!
    Ahhhh que triste!!!
    Onde eles andam, heinnn?

    Bjos burricos,

    Grazy – Antônima

  2. Realmente.
    Homem leva muito mais tempo para ficar realmente envolvido, com a exceção dos carentes, claro.
    É pq (pelo menos eu), tentamos, mesmo que seja de uma forma grosseira e sem conhecer bem a pessoa, analisar friamente os prós e os contras de uma relação. Quando a relação é apenas sexo, não nos apegamos e seguimos as nossas vidas sem problema nenhum.
    Agora quando vemos a possibilidade de ter ‘algo á mais e sério’ com essa pessoa, passamos a olhar todos os pontos, para não nos frustrarmos no futuro. Como é para a vida toda, ou pelo menos parte dela, queremos uma mulher que cresça conosco. E quando à encontramos, não queremos perder, pq nós temos a noção que vai ser bem difícil de achar alguem parecido.

    é isso ai…

  3. Cito o pobre soldadinho de chumbo? Leiam a história original, os que ainda não conhecem…

    Mas é exatamente isso, as mulheres simplesmente apagam a última burrice e os homens não… e isso é que é uma porcaria…

  4. eu não apaguei nehuma burrice rodrigo.
    acho que hoje em dia nem sei mais amar direito. Meu namorado é bem mais emotivo comigo do que eu com ele.
    muito original sua comparação com o soldadinho de chumbo.

  5. Realmente qdo vc disse q ja viu homem até entrar em depressão eu lembrei do meu pai…aguentou um casamento falido por amor ( Loucura ) pela minha mãe q o traia muito pra qualquer um ver…e lembro bem qdo a situação ficou insuportável e ele teve q sair de casa…em poucos dias ele tava hospitalizado com febre de 40º q não cessava, emocional..tadinho!!!

  6. É beeeeeeeem verdade, viu! E eu ainda não tinha parado pra fazer a análise! Claro que já tinha visto os homi burro por aí, só nunca tinha percebido que eles são ainda mais burrinhos, coitados!
    E mais ainda… se nós pararmos pra pensar, quase todas já magoaram um burrinho também, né?
    Muito bom, MB! Um beijo procês!

  7. Não Alice, eu não estava comentando o seu comentário, desculpa se deu essa intençao.
    Mas a comparação não é original, o Andersen realmente escreveu assim, de propósito, comparando o amor do homem com chumbo e o da mulher com papelão…

  8. Pra mim todas as “burrices” descritas aqui nada mais são do que consequência de um simples ato…
    Amar…
    Não interessa o sexo, qdo se ama ou se gosta ou se sente uma paixão enorme (qq que seja o termo mais apropriado) os dois sexos cometem os mesmos devaneios ou “burrices”…
    Como amar é algo inerente ao ser humano, estamos fadados às nossas “burrices”…
    Infelizmente…

  9. “os mais saidinhos viram cafas incorrigíveis”. Não é porque a gente sofreu uma desilusão amorosa, que vamos sacanear os outros que nada tem a ver com as pessoas sórdidas que às vezes cruzam o nosso caminho. Isso de se tornar cafa porque sofreu por amor no passado é coisa de homem sem caráter, ele já era assim só queria uma desculpa!

  10. Se as mulheres aprendem a falar mais cedo que os homens e têem o uso da palavra mais alargado(pelo menos em quantidade) e mesmo assim as melhores poesias e canções de amor são compostas por homens,só mesmo burríssima pra ignorar a realidade.

  11. Mas, pensem bem: as coisas acontecem com a gente com tanta freqüência que, apesar da dor que causem, já nos habituamos a ela, então, mesmo que façamos aquele “auê”, passa…Com os homens funciona um pouco diferente: por ser tudo novidades, somada a dificuldade em se entregarem, por que seria um desafio a macheza se apaixonar e ficar “molenga”, parece que o mundo se acaba a cada rara vez que isso acontece…

    bizarro, não!?

    rs beijosss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *