Amores impossíveis

Há uns dias, li alguma coisa sobre um jornalista americano que andou causando polêmica ao escrever uma matéria explicando essa febre na literatura/cinema/TV de vampiros como alvo do desejo sexual e romântico das mulheres. Crepúsculo, True Blood, blá-blá-blá, retratam esse tipo de relação, fazendo com que mocinhas (!) mundo a fora idealizem esse amor, digamos, sanguinário. Pois bem, a teoria do tal jornalista é de que as mulheres se encantam pelo estereótipo do vampiro porque, na realidade, isso retrataria um desejo enrustido de mulheres, jovens e hétero, de fazer sexo com homens gays.

Minha opinião? Ou ele bateu com a cabeça na parede ou ele mesmo é gay e está irritadinho com mulheres dando em cima dele.

Veja, eu concordo que existe, sim, o fetiche feminino de pegar um gay. Só que as mulheres não precisam fantasiar com vampiros para disfarçar esse interesse! Sempre vão existir mulheres com desejo por homens gays, isso quando não se apaixonam mesmo (consciente ou inconscientemente). Tadinho, ele não deve ter TV a cabo e nunca assistiu Will & Grace, só pode.

E essa questão vai além. Estamos falando não só de vampiros e/ou gays, mas, generalizando, estamos falando de amores impossíveis. Oi? A questão não é a causa do impedimento da relação, mas o desejo da superação desse impedimento!

Duvido que você que está me lendo agora não tenha tido ao menos UM amor impossível na sua vida. Um amigo gay, o namorado da amiga, um professor mais velho, um ator gringo, o carinha lindo da sua banda preferida ou até um vampiro. Este último, espero que só na ficção, do contrário, eu tenho um contato lá no Pinel e posso te encaminhar, viu? (Mas se você conhece o Edward… pergunta se “aquilo” também brilha?)

Conheço uma mulher que desperdiçou ANOS de sua vida sentimental completamente apaixonada por um cara gay. E não estou falando de um lance platônico daqueles que a gente sabe que é platônico e curte mesmo assim. Tô falando de paixão das cegas – e burras. Até eu, por exemplo, tenho um amigo gay que é TUDÃO e, vez ou outra, soltava umas indiretas mais picantes que me davam idéias, viu? (Florzinha, se estiver me lendo, beijo-me-liga!)

Ou seja, ficar encantada pelo personagem de um vampiro é apenas mais um desejo por uma relação impossível, que, se fosse real seria algo perigoso, sexy, misterioso e ETERNO.

Na verdade, o ser humano (e não só a mulher) sempre tem essa tendência masoquista de querer aquilo que não pode e ignorar o que está à sua disposição. Se o cara não te dá bola, seja por qual motivo for, já é meio caminho andado pra despertar o interesse feminino.

Enfim, eu acho tudo isso válido, todo mundo já passou ou vai passar por esses momentos, principalmente quando se é jovem, e é um “aprendizado” sentimental valioso. Ou só um fetiche mesmo, o que também não tem nada de mal. O que não podemos é achar que a vida é um conto de fadas e viver esperando o príncipe no cavalo branco ou sonhando, mesmo sem admitir, com o excitante perigo de um amor-bandido.

Eu mesma sou romântica ao extremo, adoooro um dramalhão e sentimentos exagerados, mas, mais cedo ou mais tarde, a gente aprende a olhar para os lados, a valorizar atitudes reais e pessoas de carne e osso, com sentimentos verdadeiros. Aos trancos e barrancos, aprendemos que é possível andar com a cabeça nas nuvens, mas sem tirar os pés do chão.

Eu quero a sorte de um amor tranquilo. E, convenhamos, esses amores complicados podem proporcionar muitas coisas, menos paz. Não estou aqui fazendo apologia da monotonia. Um sentimento tranquilo também pode ter aquele sabor de fruta mordida. A questão é que não precisamos de ficção, desafios e perigos para ser feliz.

Quer saber? Idealizar demais um parceiro ou desejar o impossível é, simplesmente, se negar a amar, porque é esperar por algo que sabemos que não vem. Olhe para o lado. E seja feliz!

“Quem não sabe amar fica esperando alguém que caiba no seu sonho.” (Cazuza)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Publicado em www.MuleBurra.com.

20 comentários

  1. Esse filme Crepusculo é uma shit. O relacionamento além de impossível é doentio e viciado. Há pessoas que conseguem tornar seus relacionamentos doentios e viciados. Tenho medo dessas adolescentes que cairam de amores pelo filme. Além do que Robert Pattinson é tão expressivo quando um cavalo pastando grama. O filme é um mal gosto ilimitado artístico e psicológico.

  2. Eu quero a sorte de um amor tranquilo também. E como eu amo o Cazuza! :´)

    Ah, acho que achei um “amor tranquilo”, embora a tranquilidade não seja nada monótona e não seja livre de algumas emoções no meio do caminho.

  3. Olhaaa! Adorei!

    E esses amores impossíveis mencionados aí não são necessariamente por essas criaturas impossíveis. Pode ser de carne e osso, hetero, te adora, ESTÁ CONTIGO… mas o temperamento simplesmente não combina com o seu.
    E to falando daquele “temperamento que não combina” meeeesmo. Sem possibilidade de ambos cederem e tentarem se amar para sempre.
    Éééé, minhas caras amigas, amores impossíveis não são nada raros!

  4. Ai ai…
    Esses nossos apegos com a ficção é fuga…
    Nossa realidade é tão escura e cruel, q às vezes a gente precisa escapar um pouco desse mundo e mergulhar num bom livro ou filme.
    No meu caso, só mergulho quando estou lendo mesmo… ou assistindo a um filme…
    Pq quando fecho o livro ou desligo a tv, “minhaaaa filhaaaaa”…
    Eu morro de ódeo…
    Pq sei q aquelas coisinhas todas lindas são de mentira… E o mundão me aguarda, implacável, para me destruir, ui!

    Kiss

    Grazy – Antônima na Fossa

  5. aa gente!! eu nunca tive fetiche nenhum p/ gays! conheço vários até meninas lésbicas.adoro todos eles! mass nao sinto a menor atraçao por gay. pelo menos eu,so sinto atraçao por homem com jeito de homemmmm. e falando dos amores impossíveis, aaaaaaahhh!!rsrssr!! são impossíveis mesmo!! e daiii agora de uma coisinha dificil ou impossível a isso todo mundo gosta!

    e eu detesto esse filme besta mela cueca, crepusculo, lua nova baaaahhh!!

    aa gente “vamo” assistir 2012 euu adoreiii!!!! bjbj bj

  6. ameei!

    e concordo em numero e grau
    Li a saga Crepusculo, amei e adimito o Edward me encanta
    ele é perfeito, não precisa de mais!
    Jacob também encanta
    é e aquel platonico de livro que eu gosto
    as citações de Cazuza PERFEITAS
    ah teno muuuuitos amigos gays e nem por isso tenho fetiche por eles!
    ;*

  7. Há tantos requisitos que eu quero que o “homem da minha vida” preencha, mas eu acho que eles são tão viáveis, que não gostaria de abrir mão disso. Não consigo, como uma amiga me aconselhou, fechar os olhos para certas coisas. Não sei fingir que tá tudo bem, quando, na verdade, eu queria mais.

    Além disso, sinceramente, eu não peço nada que eu não possa dar. Queria, enfim, um cara leal, ambicioso, inteligente, sagaz… Não precisa ser bonito, mas tem que me atrair, óbvio! Também nã gostaria que ele cometesse erros crassos de português, como escrever a gente junto, ou não saber diferenciar o “mas” do “mais”. Ele também precisa ter os braços fortes para me carregar na nossa lua-de-mel (aaaaaai) e deve ser protetor. Como diz Artur da Távola, “a proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira: basta um olhar de compreensão, ou mesmo de aflição”. Ah sim, importante que seja honesto, gentil com as minhas amigas e família, e generoso com as pessoas em geral.

    Será que eu estou pedindo demais? Seria mais fácil me amancebar com um vampiro, ó Deus?

  8. O crepúsculo, na minha opinião, ainda é o sonho eterno da patricinha vazia, feia e enjoada, de pegar o hiper-bonitão-imortal e ainda ser eternamente amada por ele sem precisar ser, ao menos, interessante.
    Tá, no livro ninguém diz que ela é feia…

  9. ñ sou apaixonada por um gay .. mas concordei mto com o final .. ampores complicados .. só trazem problemas .. nunca paz! Tenho ctz q inclusive o meu foi um dos culpados do surgimento de uma arritmia no meu coraçãozinho burrinho HAUHAUAH

  10. Ah, como eu já peguei gay nessa vida!!!

    Nos meus tempos de 16/17 anos ía pra BG (Boate Gay) só para dar mole (e pegar) a bicharada!!!! srsrrs

    It was so funny!!!!

  11. Depois de 5 anos de muita (mas muita mesmo) confusão, estou há 2 anos em um amor tranquilo… Todos esses 7 anos com a mesma pessoa.

    Vou te dizer que traquilidade é bem melhor q confusão… sempre achei isso e hoje tenho certeza 🙂

  12. Perfeitoooo…por isso que tô sozinha até hoje…
    Quando gosto eles não ligam pra mim, e quando lingam pra mim eu não gosto!

    O que obviamente não presta sempre me interessou muito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *