Brisa

Eu já decorei o seu gosto
E a memória da sua pele brilha em mim
Porque o sol da sua casa tem uma cor diferente

Mesmo quando estou longe
É o seu nome que segue meu caminho
Nos dias em que não estou só

Mesmo depois de tanto tempo
Essa recordação é meu guia
Sopro morno de desassossego

Você sempre acreditou em amor eterno
Em corações partidos e dores sem fim
Mas amar é só o começo do dia!

Minha vida anda tão boa
E eu ando tão cheia de mim
Que posso deixar tudo assim
E achar que sou feliz à toa

Mas o mundo dá tantas voltas
E a menor brisa pode te trazer de volta
Ao mesmo começo
Ao mesmo fim

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A cura

Assim que eu percebi, seus olhos me capturaram
Não havia como resistir, embora eu me negasse a ceder
Não havia o que temer, embora meu corpo tremesse

Entorpecida pela sua respiração
Embalada por suas palavras
E guiada pelo seu olhar
Cheguei até aqui
E você me fez sorrir
Quando estava perdida tentando alcançar o distante
Sem acreditar no caminho tão curto e sereno

Mas você é paz e tormenta
Certo e errado
Abrigo e desejo
E essa é uma escolha que eu não preciso mais fazer

Seguro forte a sua mão
Apenas para ter certeza da sua presença
Pelo prazer de sentir seu calor entre meus dedos
Porque eu não tenho mais medo
E, não, eu não quero partir

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Eterno retorno

Quando o querer é mais forte que a razão
Quando o sol aquece sem queimar
Quando a perfeição já não faz sentido
Quando a noite é clara, mesmo sem luar

Quando o medo sucumbe ao desejo
Quando a dor não passa de uma remota lembrança
Quando qualquer som se faz doce melodia
Quando a saudade se esvai com o vento

– Não vá!

Nunca
Nunca mais
Fique
Para sempre, desta vez

“Quero isto ainda uma vez e inúmeras vezes?” (Nietzsche)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Brisa

Eu já decorei o seu gosto
E a memória da sua pele brilha pra mim
Porque o sol da sua casa tem uma cor diferente

Mesmo quando estou longe
É o seu nome que segue meu caminho
Nos dias em que não estou só

Você acredita em amor eterno
Em corações partidos e dores sem fim
Mas amar é só o começo do dia!

Minha vida anda tão boa
Eu ando tão cheia de mim
Que posso deixar tudo assim
E achar que sou feliz à toa

Mas o mundo dá tantas voltas
E a menor brisa pode te trazer de volta
Ao mesmo começo
Ao mesmo fim

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

In repair

Assim que eu percebi, seus olhos me capturaram
Não havia como resistir, embora eu me negasse a ceder
Não havia o que temer, embora meu corpo tremesse

Entorpecida pela sua respiração
Embalada pela sua voz
E guiada pelo seu olhar
Cheguei até aqui

“Mas momentos perfeitos não duram para sempre”
É o que minha cabeça disse ao meu coração

Seja mais forte que eu:
Segure a minha mão
E não me deixe partir

bye1

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Você

Há pessoas que nos fazem bem. Há pessoas que nos apóiam. Há pessoas que nos ouvem. Há pessoas que nos fazem rir. Pessoas que nos confortam. Pessoas que nos respeitam. Há pessoas que nos fazem sentir queridos.

E há aquelas que nos fazem dançar sem sair do lugar…

Você me tirou pra dançar
Sem nunca sair do lugar
Sem botar os pés no chão
Sem música pra acompanhar

(Cláudio Lins, “Cupido”)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Sua

Porque você me consola
Porque você me entorpece

Porque você me enxerga
Porque você me sente

Porque você me canta
Porque você me encanta

Porque você pede licença
Porque você me invade

Porque você me faz rir
Porque você não me faz chorar

Porque você me acalma
Porque você me enlouquece

É que me vi assim:
Subitamente SUA

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Esfinge

Se não ouso dizer o que sinto
Não é por medo
Mas pelo desejo
De que você me adivinhe

Vem
E me decifra
(É bem mais divertido assim)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Tic-tac

Tenho medo do tempo
Quando ele resolve passar assim devagar:

Doloridos segundos eternos
Que machucam mais que séculos de solidão…

tic.jpg

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .