Como é que se escreve?

“Quando não estou escrevendo, eu simplesmente não sei como se escreve. E se não soasse infantil e falsa a pergunta das mais sinceras, eu escolheria um amigo escritor e lhe perguntaria: como é que se escreve? Porque, realmente, como é que se escreve? Que é que se diz? E como dizer? E como é que se começa? E que é que se faz com o papel em branco nos defrontando tranquilo? Sei que a resposta, por mais que intrigue, é a única: escrevendo. Sou a pessoa que mais se surpreende de escrever. E ainda não me habituei a que me chamem de escritora. Porque, fora das horas em que escrevo, não sei absolutamente escrever. Será que escrever não é um ofício? Não há aprendizagem, então? O que é? Só me considerarei escritora no dia em que eu disser: sei como se escreve.”

Clarice Lispector

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Palavras ao vento

As pessoas são f*da… Todo mundo fala, fala, fala… Sem a menor preocupação se vai fazer aquilo ou não… Falam por falar, como se palavras nao valessem nada… E, não, não estou falando de mentira no sentido literal da coisa… Hoje até o famoso “vamos marcar alguma coisa? vamos mesmo!” tá me irritando.

(Mas deixa eu parar de reclamar porque o ser humano é assim mesmo e tenho que me acostumar, não é mesmo?)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Palavras e silêncio

A harmonia secreta da desarmonia: quero não o que está feito, mas o que tortuosamente ainda se faz. Minhas desequilibradas palavras são o luxo de meu silêncio. Escrevo por acrobáticas e aéreas piruetas – escrevo por profundamente querer falar. Embora escrever só esteja me dando a grande medida do silêncio.

(Clarice Lispector)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .