Como é que se escreve?

“Quando não estou escrevendo, eu simplesmente não sei como se escreve. E se não soasse infantil e falsa a pergunta das mais sinceras, eu escolheria um amigo escritor e lhe perguntaria: como é que se escreve? Porque, realmente, como é que se escreve? Que é que se diz? E como dizer? E como é que se começa? E que é que se faz com o papel em branco nos defrontando tranquilo? Sei que a resposta, por mais que intrigue, é a única: escrevendo. Sou a pessoa que mais se surpreende de escrever. E ainda não me habituei a que me chamem de escritora. Porque, fora das horas em que escrevo, não sei absolutamente escrever. Será que escrever não é um ofício? Não há aprendizagem, então? O que é? Só me considerarei escritora no dia em que eu disser: sei como se escreve.”

Clarice Lispector

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Faça você mesmo

Tô preparando a nova versão do layout do MB que vem por aí (tchanannnn) e aproveitei para dar uma mudada por aqui também – como se não mudasse sempre. (Gostaram?)

Engraçado que fiquei lembrando de quando comecei a mexer com isso, sem saber absolutamente nada, apenas com a cara e a coragem. Tudo bem que sempre fui enxerida a aprender tudo sozinha e não entender algo (que eu quero) me deixa profundamente frustrada. Eu tento, tento de novo, insisto até conseguir.

Do mesmo modo que me incomoda profundamente pessoas que não sabem e não querem aprender. Odeio coisas do tipo “Ah, não sei, faz pra mim?” e adoro um “Ah, não sei, mas você me ensina?”. Pra mim, aprender algo é mais do que um prazer, é um desafio instigante. É um prazer que você vai saboreando aos poucos, a cada descoberta, a cada solução de problema, até o deleite da vitória final.

No MB mesmo, eu comecei a mexer porque os templates feito por terceiros não estavam satisfazendo. E olha que eram layouts ótimos, mas é aquilo: a gente sempre quer a coisa do NOSSO jeito.

Eu sempre penso assim… Se você quer algo, corra atrás. Se não sabe fazer, descubra como. Não espere que alguém faça por você. Não deixe essa realização para os outros. Aprenda a construir seus próprios castelos.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Palavras ao vento

As pessoas são f*da… Todo mundo fala, fala, fala… Sem a menor preocupação se vai fazer aquilo ou não… Falam por falar, como se palavras nao valessem nada… E, não, não estou falando de mentira no sentido literal da coisa… Hoje até o famoso “vamos marcar alguma coisa? vamos mesmo!” tá me irritando.

(Mas deixa eu parar de reclamar porque o ser humano é assim mesmo e tenho que me acostumar, não é mesmo?)

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Alforria

Comemos porque está na hora, e não porque temos fome.

Dormimos porque está na hora, e não porque temos sono.

Tem gente que segue aquele papo do intestino funcionar como um reloginho e só caga com hora marcada.

Já ouvi falar de gente que até faz sexo só porque está na hora ou no dia de fazer.

Rotina ou escravidão?

A cada pequena – ou grande – decisão que tomamos levando em conta a nossa vontade,  nos sentimos mais livres e mais felizes.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .